• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Nada será como antes

Jaquelle Crowe 21 de Março de 2018 - Família

O texto abaixo foi extraído do livro Isso Muda Tudo, de Jaquelle Crowe, lançamento de março de 2018 da Editora Fiel

O evangelho é transformação de mundo e mudança de paradigma. Nada pode continuar da maneira que era depois que você crê no evangelho. Por quê?

Primeiro, porque o evangelho nos mostra quanto o pecado é terrível e a graça é melhor. Por causa do pecado, todo mundo depois de Adão e Eva nasce imperfeito. Por natureza, estamos quebrados e somos rebeldes depravados contra Deus (Rm 3.9-12). Parece duro, mas é verdade. Ninguém nasce amando a Deus. Pelo contrário, nossa inclinação natural é odiá-lo. O evangelho somente é uma boa notícia porque há uma má notícia. A má notícia é que o pecado é real e nós somos pecadores. O castigo por nosso pecado é a morte (Rm 6.23). Rebelamo-nos contra um Deus infinitamente bom, então carregamos o peso de sua ira justa (Rm 1.18; Cl 3.6).

Jimmy Needham retratou isso de maneira surpreendente. Ele disse para você se imaginar amarrado aos trilhos de um trem com a enorme locomotiva da ira de Deus trovejando na sua direção. Você está preso. Você não tem como escapar. Mas há um detalhe: foi você quem amarrou a si mesmo nos trilhos do trem. Isso me faz lembrar dos vídeos do “Eu Sou o Segundo”. São vídeos de indivíduos proeminentes que dão testemunho da obra do evangelho em suas vidas. Todos parecem ter duas coisas em comum – todos compreendem (1) que são pecadores e (2) que, antes de Jesus, eles não tinham esperança. Não é possível receber a salvação e a história do evangelho antes de ver o que o pecado realmente é.

Nós éramos maus e estávamos perdidos (Lc 19.10), e o peso do nosso pecado nos esmagou. Mas, quando você vê o horror de seu próprio pecado, é liberto para ver a luz da graça – como a remoção de uma cortina preta em um dia ensolarado. O que é a graça? Graça é recebermos o que não merecemos, é favor imerecido. John McArthur chega a dizer que é mais do que isso. Ele sugere que a graça “não é um mero favor imerecido; é favor concedido a pecadores que merecem a ira... A graça é a soberana iniciativa de Deus pelos pecadores (Ef 1.5-6)”. A graça é Jesus nos salvando.

“Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos.” 2 Coríntios 8.9

Levou muito tempo para que eu percebesse que somente as pessoas que sabem que são pecadoras compreendem a graça. Por toda a minha vida, lutei contra meu perfeccionismo. Os perfeccionistas têm um problema com a graça. Pensamos que estamos acima dela. Enganamos a nós mesmos, acreditando que merecemos o sucesso. Mas são os “fracassados”, aqueles que têm consciência de que são falhos, os bem-aventurados, pois são humildes o suficiente para reconhecer que a graça é inteiramente imerecida.

Deus tem de matar, repetidas vezes, a perfeccionista que há em mim, para abrir meus olhos à deslumbrante e libertadora verdade da graça. É algo que continua a acontecer. Eu me sobrecarrego com expectativas de alta pressão (por exemplo, na escola, na culinária, no trabalho, naquilo que escrevo) e, quando algo dá errado, eu me puno. Depois, vou lidar com o meu ego ferido, convencendo-me de que, se eu conseguir fazer melhor e ser alguém melhor, então serei digna.

Mas o caminho destrutivo do perfeccionismo está na contramão do evangelho. Na história de Deus, eu sou indigna. É aí que começa o evangelho. Eu sou o fracasso, o problema, a imperfeita, mas, mesmo assim, Deus me salvou. Ele não me salvou porque eu era digna, mas porque ele era digno. Essa é a verdade que me liberta da escravidão do perfeccionismo das minhas obras para a liberdade da humilde gratidão ao doador da graça (Tg 3.4–8). O evangelho é onde o perfeccionismo morre.

Segundo, o evangelho muda as nossas vidas ao nos ensinar que nossos corações têm um só Mestre. Então, os cristãos não são somente seguidores de Jesus; são também adoradores de Jesus. Somos devedores a Deus até a última gota de nossa paixão, serviço e devoção.

Mas nem sempre soubemos disso. Quando começamos a existir, adorávamos a nós mesmos. Todos nascem com pequenos e poderosos tronos em seus corações, que nunca ficam desocupados. Antes de sermos salvos, colocávamos a nós mesmos naquele trono. Estávamos convencidos de que o propósito da nossa existência era deixar feliz o Rei (ou a Rainha) Ego. Mas o evangelho traz uma revolta explosiva contra o Rei Ego, derrubando-o do trono para dar lugar ao Rei Jesus, nosso novo Mestre (Rm 10.9).

Isso exige mudança.

Precisamos fazer um retorno completo de 180 graus, precisamos parar de fazer o que fazíamos para agradar a nós mesmos e precisamos começar a viver de maneira que agrade a Deus. Mesmo que isso manche a nossa reputação. Mesmo que isso destrua a nossa popularidade. Mesmo que as pessoas deixem de ser nossas amigas. Mesmo que riam de você. Mesmo que custe caro. Especialmente se custar caro.

Esta é a verdade inevitável: nossos corações sempre encontrarão alguma coisa para adorar e isso motivará a maneira como vivemos. Vivemos para aquilo em que nos gloriamos, por aquilo que adoramos. Então, pelo que você vive?

Em última análise, o evangelho nos ensina que não somos dignos de adoração. Por mais agradável que seja pensar que somos, não somos Deus. Antes de sermos salvos, éramos indefesos, desprovidos da graça e totalmente incapazes de salvar a nós mesmos. Jesus não era assim. Jesus foi o ser humano perfeito, Deus em carne, nunca errou. Ele merece ser o nosso Mestre e o nosso Senhor. Ele é aquele que merece tudo. Se Jesus é digno, ele precisa tornar-se o nosso objeto de adoração. Nós agora temos a responsabilidade, como adoradores, de agir de maneira que lhe traga glória, de fazer coisas que tragam fama ao seu nome, de falar sobre a sua justiça e de viver como se fôssemos placas neon que apontam diretamente para ele.

Nossa Nova Cosmovisão

A história de Deus é a nossa história. Vivemos no capítulo que está se desenrolando hoje. Essa história muda tudo. Significa que temos uma nova visão de mundo, ou seja, uma nova maneira de observar tudo ao nosso redor – o bem, o mal, o sofrimento, o pecado, a comunidade, a beleza, a vergonha, o tempo, os relacionamentos. Sua vida será diferente porque você crê nisso. Não há meio de se esquivar. Se o Rei Jesus tomou conta do seu coração, sua vida será uma aventura arriscada e inimaginavelmente grande. É tudo sobre ele. Agora vamos viver em consonância com isso.

Hits: 2764


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Jaquelle Crowe
Autor Jaquelle Crowe

Escritora, editora do The Rebelution e podcaster no Age of Minority. Autora de ‘This Changes Everything: How the Gospel Transforms the Teen Years’ (Futuro...